quarta-feira, 29 de outubro de 2008

Passos na areia

De olhos bem fechados, sinto o vento na face,
o cheiro do mar e o canto dos pássaros.
Sinto também a liberdade,
sinto-me saindo da porta da prisão.
Prisão na qual eu mesmo havia me trancado há muito,
ver as crianças correndo, as ondas quebrando,
a brisa chegando com a linda manhã,
o sol que, dourando as silhuetas sobre a branca e fina areia,
me avermelha a face.
Um passo!
Um passo em direção a mim mesmo,
Em direção ao reencontro do que outrora perdi.
A cada dia um passo!
A cada passo mais longe do passado,
a cada passo mais próximo do sonho,
do sonho de viver novamente.



Por: Edson Carvalho Miranda
Colaboração: Alessandra Negrini

2 comentários:

Jenny Faulstich disse...

Que ótimo reencontro heim amigo querido... bjus da fã...
Jenny ;-*


"Sinto-me só como um seixo de praia
Vivendo à busca no cristal das ondas,
Não sei se sou o que não sou. Pressinto
Que a maré vai morar no fundo d’alma.

Calo-me sempre se te escuto vindo
Marulho de incerteza e de agonia;
Há crenças deslizando nos meus traços,
Molhando a estátua do meu sonho antigo.

Declino-me nas frases dos rochedos
Nas pérolas de som do inesquecer
Na incrível sombra da montanha adulta.

E ao me curvar ao peso da memória,
Descubro meu reflexo obscuro
Num soneto de espumas inexatas."

(Vinicius de Moraes)

Edinho disse...

Reencontrar coisas boas minha querida amiga, Jenny, sempre resulta em coisas boas, assim como nos nos encontramos!

Bjs e obrigado!