terça-feira, 11 de novembro de 2008

A fala da paixão!


Palavras lindas, honestas, sinceras

Outras vezes nem tanto

Expressão de sentimento,

No beijo, é o próprio movimento


Revela o sabor do alimento

Para a guerra, traz a paz, ao povo, o alento

Para a política a poesia,

Para o povo sofrimento


Do sabor gostoso, doce, crocante, aerado

Ao Azedo, rascante, ruim e amargo

Acaso gostoso, nos leva ao céu

Acaso azedo, nos revela o fel.


Consegue expressar alegrias, brincadeiras

Comunicação entre as bandeiras

Consegue ser a diversão dos namorados em frente às lareiras,

A arma do advogado, o desejo secreto do mudo.


Órgão nímio e insolente

Que expressa os desejos do corpo

E fala a um coração ardente

Que a mim declamou tão dolorosa ilusão.


Ahh, meu amor, nada te pedi sequer palavras

Compromissos, juras, quiçá, promessas,

Pedi apenas que aceitasse minhas trovas, meus versos, meu amor

Escusada a necessidade de me pagar com tamanha dor.


Notícia infame! Aviso covarde e ardil!

Não digas que não me queres,

Não faças desse coração poeta,

Penumbra tão triste e febril.




Edson Carvalho Miranda

05-08-2008

Um comentário:

Alessandra disse...

Porquê?? Porquê suas poesias sempre me emocionam? Porquê você consegue penetrar assim tão profundamente na alma e lá deixar a sua marca? Marca indelével... talvez eu saiba a resposta... vc coloca o seu coração, seus sentimentos, sua força e os transforma em palavras!!!!