sexta-feira, 5 de dezembro de 2008

Realidade subjetiva

Sabendo que você existe! Acordar, comer, viver,

passam a não ser mais o limite da minha existência.

Respirar torna-se algo mecânico em sua ausência,

pesa tanto no peito essa distância que a morte vira um fetiche.


Proibido, incestuoso, louco?

Louco, talvez fosse a melhor definição para os que amam.

Amor é a melhor tradução para os que realmente vivem.

Viver é perder os sentidos a cada vez que o amor nos toma.


Como resistir aos fetiches, a falta de limite e a vontade da presença?

Sem dançar com a loucura e correr o risco de dançar com a vida.

Sem pensar em acordar apenas para te ver dormindo.

Dormir apenas para entrar feito moleque travesso em seus sonhos.


E quem sabe sonhar! Sonhar seus sonhos, sonhar junto com você.

Que no próximo amanhecer, a vida nos trará o sonho!

O conto de fadas, onde o final seja apenas eu e você...

Felicidade!... Será apenas uma simples forma para nos descrever.


Edson Carvalho Miranda

5-5-2008

2 comentários:

Edinho disse...

Vou dedicar essa poesia a todos os grandes amigos e amigas que tenho, bem como as pessoas que acompanham esse blog, algumas que nem conheço, mas vou dedicar em especial a um amigo que para minha surpresa tem uma história de vida, principalmente a vida afetiva, muito parecida com a minha. E vi que ao ler essa poesia esse amigo se identificou muito, e se emocionou.
Então fica aqui a minha homenagem.
Grande abraço e obrigado a todos!

Alessandra disse...

Tenho certeza de que todos ficarão comovidos e agradecidos ao ler, pois quem já não passou por algo igual ou similar na vida?
Obrigada! Por nos dar uma esperança, um sonho, um final feliz...

Alé