domingo, 15 de novembro de 2009

Onde acharei lugar tão apartado

Onde acharei lugar tão apartado
E tão isento em tudo da ventura,
Que, não digo eu de humana criatura,
Mas nem de feras seja freqüentado?

Algum bosque medonho e carregado,
Ou selva solitária, triste e escura,
Sem fonte clara ou plácida verdura,
Enfim, lugar conforme a meu cuidado?

Porque ali, nas entranhas dos penedos,
Em vida morto, sepultado em vida,
Me queixe copiosa e livremente;

Que, pois a minha pena é sem medida,
Ali triste serei em dias ledos
E dias tristes me farão contente.

Luís Vaz de Camões

2 comentários:

Anônimo disse...

...Já amei pessoas que me decepcionaram, já decepcionei pessoas que me amaram, mas o mais triste é que, já chamei pessoas próximas de amigo e descobri que não eram. Mas, apesar disso, algumas pessoas, nunca precisei chamar de nada e sempre foram e serão especiais para mim... estão ao meu lado.

É para você....

Edinho disse...

Seria para Camões então, uma vez que a poesia e dele!
Obrigado pela participação no blog e ao que vejo na minha vida, seja vc quem for pode ter certeza que tem meu carinho.
Att
Edinho